sábado, 3 de novembro de 2012

EXPLOSIVA



Explode o vulcão desolado.
Contradições, aflições, compromissos, promessas, liberdade, amor.
Pedaços esfacelados de um peito dilacerado
O que a boca cala a poesia exorta, transborda. 
Alcança o âmago, pra além de qualquer fronteira. 
Dinamita a impotência dos dias sem esperança. 
Nas noites sem canção
Das mãos trêmulas e espalmadas. 
O ninho estéril, o vórtice do escuro. 
Reverbera a solidão.

Nathalia Leão Garcia


Rio, 03 de novembro de 2012


ENVIO AO CÉU

             Meu querido amigo Israel!           Hoje lhe conto da emoção que reverbera no meu ser, com a leitura do Conto Olhos D´água...