sexta-feira, 22 de agosto de 2014

A MEMORÁVEL FESTA DE ANIVERSÁRIO



Esta semana lendo a coluna da Martha Medeiros de domingo, deparei-me com as reminiscências da festa de aniversário inesquecível  dela dos seus 10 anos em que relatou a realidade das festas de antigamente sem shows de Anitta, coreografias de funk e outras pirotecnias da era tecnobrega mas eram regadas a emoção de compartilhar com os pais e familiares queridos.

Esta leitura me fez entrar no túnel do tempo e relembrar a minha inesquecível comemoração de aniversário de 10 anos.  Minha madrinha que era minha tia avó, solteira, independente e uma espécie de ídolo para mim resolveu me presentear com a minha primeira e única festa de aniversário na infância. As lembranças dessa minha história dão conta de mais um pretexto para fazer a minha terapia  de passar a limpo as minhas impressões tatuadas na memória afetiva. Da série, lembranças da infância pré-histórica!  

Faço aniversário em meio às férias de janeiro, com a debandada geral da cidade do Rio de Janeiro e no mês em que estoura o orçamento das famílias por conta dos gastos com Natal e ano novo e as fatídicas facadas do IPTU, IPVA e renovação de matrícula nas escolas.

Não era das mais populares na infância e aquele ano coincidiu com a mudança de escola particular para a pública. Eu era louca para “aparecer”, era falante, fazia teatro, dançava  mas sempre na hora de apresentar-me a minha mãe arrumava uma quizumba e lá estava eu fora das festas, além do mais para o meu desespero,  ela adorava dar show na porta da escola na entrada insultando os possíveis amigos com a declaração anti-social de que “ ninguém era bom o bastante para freqüentar a nossa casa”. Eu era por assim dizer, odiada por todos como uma unanimidade de antipatia! Arrumava assim muitas inimizades e encorajada por mamãe era uma aprendiz de lutadora de MMA! Vivia aos tapas com todos os colegas e vizinhos do bairro!

Os meus 10 anos foram ainda mais memoráveis porque minha avó Nadyr que me criou e é a responsável pelos meus melhores traços de humanidade e doçura na vida havia morrido às vésperas do Natal, um mês antes do meu aniversário.

Eis que a minha dinda Arlette que era irmã da minha avó falecida, para me compensar da tristeza organizou uma bela festa de aniversário na Confeitaria Colombo na Av. Copacabana extinta há décadas, hoje abriga uma luxuosa agência do Banco do Brasil.

Era um endereço mágico pra mim! Eu adorava a arquitetura e a decoração Art Decô! Sim , eu era um ET por me encantar com aquela “ velharia “ aos 10 anos!

Muito que bem, chegou o grande dia e a minha mãe me reservou o mimo de levar-me ao salão de beleza para fazer as unhas o que eu sonhava e ela sempre falava que era “coisa para mocinhas”  e eu era uma pirralha mesmo lendo Machado de Assis e Jorge Amado feito gente grande! Ganhei também um lindo vestido de laise rosa feito sob medida para mim e sapatinhos de verniz de pulseirinha, parecia a Dorothy do Mágico de Oz!

A platéia que não chegava a 10 pessoas incluía minha mãe, minha irmã mais nova de 7 anos, a Dinda e algumas crianças,  netos das amigas da minha madrinha.  A minha vida social era um desastre!

No grande dia tão idealizado estava eu lá vestida como uma princesa naquele luxuoso  “ palácio” com que sempre sonhei, mas estava muito triste porque sentia a falta da minha avó , do meu pai sempre ocupado que nunca estava presente, meu único tio e primos moravam em Petrópolis e eu me sentia só!

Dramática desde pequena eu sonhava em ser cantora lírica e a minha ópera predileta era Carmem que eu imitava debaixo da torrente de comentários desencorajadores de mamãe! Na hora do parabéns ao som do piano de cauda tocado pelo músico de casaca triunfal, refugiei-me no banheiro para chorar sem que ninguém me visse!

Tudo que eu queria eram os abraços dos ausentes que eu amava!

Até eu ingressar na Faculdade de Psicologia não costumava comemorar aniversário. Mas na UFRJ encontrei “a minha família aquariana” e passei a celebrar coletivamente e até hoje é a minha forma predileta de passar a data.

Este ano como de costume, estava trabalhando e descobri mais duas colegas que faziam aniversário na mesma data!

Já comemorei o meu níver de forma mais intimista “morando “ uma tarde toda numa grande livraria e foi um êxtase estar naquele lugar que povoa os meus sonhos!
Acredito que a data de aniversário é uma oportunidade para celebrar a vida e agradecer tudo que conquistamos!

Não há nada que substitua a presença das pessoas que amamos ao nosso lado, mas aprendi a não me render às lamúrias e  enxergar o lado bom da vida em cada situação.
Trabalho com organização de eventos e adoro uma festa para compensar!

Apesar dos dramas, aquele aniversário de 10 anos na Confeitaria Colombo veio à tona como inesquecível, pois tive que aprender a lidar com as faltas, a frustração e a saudade e isto me tornou uma pessoa que super valoriza as amizades e as demonstrações de afeto.

Como dizia Ghandi,  não existe um caminho para a felicidade, a felicidade é o caminho!


Nathalia Leão Garcia 


Rio de Janeiro, 22 de agosto de 2014 







REFLEXÕES SOBRE A VIOLÊNCIA

Escrevo agora pela necessidade de me pronunciar sobre os acontecimentos atordoantes que se desenrolaram nas dependências de nosso Colégio ...